sexta-feira, 9 de novembro de 2012

Para a Senhora que vai todos os dias

no mesmo autocarro que eu,

Desculpe-me as vezes todas em que, com a pressa (para quê?) não a ajudo e não lhe pergunto como se chama e se passou um bom fim-de-semana. Sei que leva o seu marido pelo braço, mas já reparei que ele também é cego, como a senhora.

E nesses dias, parecemos iguais, mas somos tão diferentes. Porque eu também não vejo, mas a minha limitação não é de visão. É de espírito.

4 comentários:

Rosarinho MB disse...

Que lindo texto!!!
Gosto tanto!!!
beijinhos

Ana Ulrich disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Ana Ulrich disse...

Para veres que tenho muito a aprender ainda :)

Maria disse...

Que bom quando alguém diz que tem muito a aprender!!!!!!!!!!!!!!