quarta-feira, 7 de novembro de 2012

Consequências

Querida mosca,

Estávamos as duas contentes, lá fora no jardim a almoçar. Tu tinhas o teu espaço e eu o meu. Pois não satisfeita, depois de zumbires sem parares para respirar, deste às asas e mergulhaste na minha sopa. Não, não te salvei. Porque os teus atos têm que ter consequências e porque a minha sopa foi à vida. Para a próxima (?), pensa duas vezes antes da queda livre.

Da tua amiga,
Ana