quinta-feira, 6 de novembro de 2014

Looking for a job is a full time job

Disse-me um dia alguém com muita experiência e muitos anos de carreiras. Na minha ânsia por um futuro brilhante explicou-me a importância deste espaço de tempo entre terminar o curso e encontrar um trabalho. Que valia ouro porque era a altura perfeita para aprender verdadeiramente acerca de mim. Já aprendeste o suficiente sobre moléculas e doenças, agora tu. O problema das frases inspiradoras é que apesar de ficarem na cabeça demoram algum tempo a assimilar.

Passamos cinco anos da nossa airosa juventude em que o acne e as feições de adolescente já desapareceram agarrados a livros e festas académicas. Experimentamos todas as fases que vão desde: “adoro o meu curso” até “odeio o meu curso, quero mudar, já!”. E sonhamos com o dia em que acabamos e podemos escrever no facebook “Finalmente Mestre” e agradecer aos pais, familiares e amigos todo o apoio ao longo dos anos.

Mas na verdade a sensação é um bocadinho diferente, dão-te um canudo e um pontapé no rabo. Para que te serve o canudo? Das duas uma: podes usar como monóculo e tentar ver “para o infinito e mais além” ou podes espancar todos os que à tua volta não te disseram que depois de tudo ficas entregue aos bichos.

Depois começam os telefonemas, as entrevistas, as propostas, a falta de telefonemas e os “redondos não”! Ninguém te avisou que ias precisas de uma gabardine para a quantidade de baldes de água fria que para aí vem. Os consolos dos que estão à tua volta são quase iguais aos que se dá aos recém-solteiros: “não te preocupes, vai aparecer alguém melhor”. Vai-te apetecer pegar no canudo e usa-lo na funcionalidade número 2. Que horror Maria, que mau feitio!

Na verdade existe um equilíbrio entre os sonhos megalómanos e não baixar os nossos padrões por qualquer coisa que aparece (e isso aplica-se aos recém-solteiros e aos recém-desempregados). Tinha mais piada se a frase seguinte começasse com: “e esse equilíbrio chama-se….”. A verdade é que pode ter vários nomes. Por exemplo, Daquele que sabe o que é melhor para ti, agora e sempre. Só assim é que percebes que um não não é igual a “as tuas capacidades não são suficientes para atingir as tuas ambições”. Oferecer e confiar. E só assim faz sentido engolir tantos sapos. Antes sapos que chocolates, não engordam! Pões um certo sentido de humor nas coisas mesmo que sejas a única pessoa a rir-te das tuas piadas.

Só assim os conselhos de ouro fazem sentido e te consegues aperceber da sorte que tens em estar a viver este momento, agora. Pegas no canudo e, com um sorriso na cara, passas a usa-lo na funcionalidade número 1: para o infinito e mais além!