terça-feira, 11 de novembro de 2014

Preto e Branco

Há coisas que não se esquecem como por exemplo andar de bicicleta (discutível) e os bons conselhos. Eu recebi um de alguém que me é muito querido e que apesar de agora não estar perto um dia vai voltar e ensinar-me mais uma coisa ou duas.

No meio de situações mais ou menos complexas dou por mim a perder tempo e paciência à procura de todas as cores, de todos os tons de azul, amarelo e cor-de-rosa. Misturo cores que nem ficam bem e faço verdadeiros borrões. Em vez de me focar no essencial: preto e branco.

Quem me ensinou isto foi uma das pessoas mais simples que eu já conheci. Que sorte ter-me cruzado com alguém assim. A maneira como adorava lavar os dentes, como vestia a roupa de andar por casa (aka: fato treino) mal chegava do trabalho (just like me) e como adorava aproveitar os momentos de silêncio.  Acho que era a maneira como aproveitava estas pequeninas coisas que faziam com que tivesse um dos sorrisos mais sinceros que já conheci. O preto e o branco faziam todo o sentido, descomplicavam tal como a roupa-de-andar-por-casa.

O mais engraçado é que nunca houve uma conversa em que me desse esse conselho. Foi através do exemplo, daquele jeito vindo diretamente do Alentejo. E mais engraçado ainda: é que não faz a menor ideia disso!

6 comentários:

Rosarinho MB disse...

Gosto muito dos teus posts, Ni...

Só queria comentar que, a meu ver, e apesar de também eu cair muitas vezes nesse erro, não devia haver roupa de andar por casa, a não ser que seja ainda mais bonita que a que usamos na rua. Isto é, acredito sinceramente que aquelas pessoas com quem mais convivemos e nos são mais queridas têm o direito de nos ver, no dia a dia, no nosso melhor.

Olhemos o caso das raparigas muçulmanas que na rua estão vestidas de uma forma e depois compram roupa na zara, massimo dutti, etc, para usar para o marido! é lindo!
=)

M. dita disse...

Gosto muito.
Quando tem que se trabalhar em casa é pra mudar de roupa (já estraguei muitas calças à conta da lixivia!)
Mas entendo perfeitamente, o meu bisavó vestia a melhor roupa para jantar (diariamente! tipo downton abbey mas com menos empregados)
Não acho que em termos de roupa as mulheres muçulmanas sejam um bom exemplo, visto que elas são obrigadas a vestirem-se na rua com burka e véus a ideia de guardar o melhor para usar em casa é bonita, mas neste caso é uma imposição.

Ni disse...

hey nao vale enxuvalhar o meu fato de treino! até porque pode ser bonito e a condizer! o essencial aqui nem era o fato de treino...

Sofia disse...

Olha eu gostei muito e o que retirei do texto não tem nada a ver com a roupa que usas em casa.

Rosarinho MB disse...

Ahah vocês são lindas. eu não estava a criticar o post nem a dizer que só fala disso. foi apenas uma pequena parte que quis comentar. e claro que as muçulmanas não são o exemplo ideal, era só para ilustrar o comentário!
Beijinho

Sofia disse...

Claro. Eu também não critiquei nenhuma das opiniões acima. Estava só a comentar que quando li o texto não foi o pequeno aparte da roupa confortável nem o lavar dos dentes, mas sim a atitude do preto no branco que achei o ponto mais importante a retirar do texto.