sábado, 26 de janeiro de 2013

Style-tto

Sabemos que estamos à frente de uma mulher quando, ainda que tenha apenas 1 ano e meio, na noite de Natal, depois de receber mil bonecas lindas, brinquedos, etc, ao receber um par de sapatos, larga tudo o resto e põe-se a correr pela casa, enquanto grita como se tivesse ganho o Euromilhões: 

SAPATOOOS!!

A cena está gravada (sorte de ter uma câmara de filmar nesse preciso momento)!






Talvez saia à mãe, talvez esteja no ADN feminino, tal como vem bem explicado aqui no blog da Maria.
A mãe, vergonha das vergonhas, contabilizou na última semana cerca de 80 pares de sapatos. 80 para 23 anos. Número redondo, que revela bem a futilidade que vai nesta cabeça. O meu lado esquerdo, que pelos vistos é mais o "lado de baixo".
Sempre tive uma paixão por sapatos e sim, aquela terrível compulsão de achar que estes não têm nada a ver com os outros, e que nesta cor são até mesmo um investimento familiar, porque o nude vai bem com tudo e alonga as pernas.
O que se há-de fazer? O pó de que sou feita manifesta-se assim.

Mas tenho procurado nos últimos tempos, por razões várias, aderir a uma ascese que me purifique deste mal que me consome a mim, ao meu marido e à nossa conta: por isso vou dando, desfazendo, reciclando, deitando para o lixo.

Sim, e SÓ depois do Adeus, são os tais 80. Porque já foram muito mais.

Tudo isto apenas para desabafar o incompreensível: não sei a causa desta obsessão-compulsão, que tem particular incidência no sexo feminino. Não sei se será vaidade - ainda antes de os imaginar calçados, já eu estou in love por isso não sei se será isso -, tenho antes para mim que é a particular queda para o Belo que nasce com cada mulher.
Calçamos a estética na nossa vida, como se calçássemos os nossos sapatos.
Neste caso, em particular, trata-se de pensar que tendo uma base bela, tudo o que se ergue sobre ela será ainda mais belo.

Vaidade, agora sim? Pois, talvez.
Ou talvez não. Talvez seja uma mera analogia inconsciente com algo muito maior: a certeza de que as nossas bases valorativas, tal como os sapatos, têm que ser belas, para nós, enquanto pessoas, o sermos também.

4 comentários:

Maria disse...

Como me revejo. Eu e o resto das mulheres todas de Portugal. Os homens compram um par de sapatos quando o anterior se gastou e já está.Ando muito inspirada pelas vossas escritas sobre o nosso "lado esquerdo e direito". Queridas!

Rosarinho MB disse...

cate, quando não tiver o que calçar para uma festa já sei onde vou bater!bjs

Rosarinho MB disse...

cate, quando não tiver o que calçar para uma festa já sei onde vou bater!bjs

Rosarinho MB disse...

Maria, nem todos os homens são assim. O meu gosta muito de se arranjar e tem imensos sapatos. O pai dele então...nem se fala!
aliás, nem deixam que os sapatos se estraguem eheh!
bjs