segunda-feira, 7 de setembro de 2015

Desabafos #2

A Joana, a Cristina e Eu:
Há gente na política que me faz muita confusão, falo principalmente d'aquelas meninas revolucionárias que vão para o Lux citar Noam Chomsky, enquanto seguram o seu gin cheio de bolinhas e especiarias do Martim Moniz, num copo de pé mas de balão. Acredito que estejam chateadas com as suas condições de burguesas e agora querem ser anarcossindicalistas.
Convívio bem com elas todas, mas confesso que baixo o som da televisão quando a Isabel Moreia está a falar - todavia é por causa das minhas dores de cabeça, nada contra a sua voz esganiçada a gritar pela opressão-intolerância-maus-tratos que vive por ser simplesmente mulher, ou a tortura que carrega em nome de todos os homossexuais. Também dou por mim a saltar as páginas do jornal que trazem os desabafos da Maria Filomena Mónica, naquelas longas confissões sobre a sua intelectualidade, mas isso é, novamente, minha culpa por vezes não entendo a dialética dos eruditos.
Agora Joana Amaral Dias engravidou, talvez um pouco opressivo para a sua condição feminina? Terá que se afastar da cena politica, mas a aspiração-o-poder-a-fama-e-a-ambição é muita, é neste contexto que a Joana aparece praticamente nua, agarrada pelos músculos do seu namorado, na capa da revista Cristina (para quem não conhece é uma espécie de Revista Maria mas refinada) os parceiros do seu partido não gostaram, afinal de contas esta espécie de Syriza lusitânica está a tentar ter credibilidade na arena politica.
Por fim, eu só consigo concluir  acerca do nível politico-cidadania-princípios-valores-ideias dos nossos políticos (ou  destas nossas meninas revolucionárias que gostam de brincar às políticas), quando não há argumentos sempre podemos mostrar o corpinho e como temos um namorado-todo-bom. Enquanto isso a Cristina faz uns trocos às custas das meninas que não gostam de ser burguesas e dos taxistas mais malandros.
 
 
 

3 comentários:

Catarina Nicolau Campos disse...

Oh minha Amiga, 5 estrelas.

Francisco Vilaça Lopes disse...

Obrigado, Dita, por dizeres o que é óbvio!

M. dita disse...

Catarina Obrigada pelas estrelinhas :) Saudades tuas! Francisco infelizmente o obvio deixou de ser obvio!