sábado, 9 de junho de 2012

Made in India #3

A vida na Índia pode definir-se como uma - enorme - desorganização organizada (nisso os indianos são parecidos com o mecânico de ontem). Senão vejamos.

Não há qualquer tabela de preços visível, por exemplo, nos táxis e tuc-tucs que enchem aquelas ruas (e para sacarem do taxímetro é preciso quase uma luta mano-a-mano onde, escusado será dizer, nunca me meti). Isto leva a que os preços tenham que ser TODOS muito bem negociados.

Receita: juntar dois táxis, um atrás do outro, e fazê-los esperar encostados à berma da estrada. Depois, perguntar ao primeiro quanto cobra por uma viagem até ao destino x. Com a resposta dele, pedir para esperar e dirijir-se ao segundo carro e perguntar quanto cobra pela mesma viagem ("Tanto? Mas o seu colega ali à frente leva-nos por um preço de y!"). Esperar que o segundo responda dando um preço mais baixo e pedir para ele esperar. Voltar ao primeiro táxi com as novas informações e perguntar se está disposto a baixar o preço. E assim sucessivamente, até se fartar ou um dos taxistas ir embora furioso (só não podem é ir os dois - daí a importância de eles não comunicarem - senão foi tempo perdido). Atenção: este exercício poderá demorar MUITO tempo!


Nos comboios não há limite de pessoas. Já não há espaço sentado? Não faz mal: pode ir em pé, agarrado à janela (eu fui e adorei!), etc. Ninguém se ofende. Está farto da viagem? Chegou à sua casa mas o comboio não tem aí paragem? Não há problema: abra a porta (quando há porta) e salte! Mas, por outro lado, são organizados, no sentido em que têm carruagens só para mulheres, só para os bicharocos (galinhas, peixe, e tudo o que forem vender - e que, escusado será dizer, cheiram verdadeiramente mal), e outras que não me atrevi a descobrir.

Outra situação engraçada que me fez ver a desorganização organizada foi a dos atrasos dos comboios. "O comboio está atrasado...", ok até aqui tudo bem, em Portugal também há atrasos, "... chegará daqui a um dia". O quê?! Ouvi bem?! Pois é, atrasos de dias são comuns nestas paragens, porque falamos de comboios que percorrem a Índia inteira e se se atrasarem cinco minutos em cada paragem isto pode bem acontecer. O engraçado é ver as reações das pessoas: pacificamente, agarram na trouxa e voltam as suas casas até ao dia seguinte. Não passa nada, tudo se resolve. É giro ver essa tranquilidade nos indianos, tão contrária à nossa sociedade sempre a correr de um lado para o outro com medo de perder não sei o quê. E como eu estava de férias, fiquei tranquilamente tranquila à espera do dito comboio.

6 comentários:

Ana Ulrich disse...

Não há "To Be Continued"?

Maria disse...

Teresa e o "to be continued" dos Louboutin vs YSL? ESTE BLOGUE CADA VEZ ESTÁ MELHOR!!!!

TeresaHU disse...

Aparecerá em breve!! :)

TeresaHU disse...

Há há, se os leitores não se fartarem desta saga há!

Maria Souza Coutinho disse...

Oh Teresa...que saudades! Ainda não desisti da ideia de voltar à Índia! Conhecer, desta vez, o Norte! E voltar às nossas queridas Irmãzinhas... Quero um "to be continued"!

Teresa Flores disse...

Adorei estes três "Made in India"! Parabéns e votos de mais uns quantos! :)