terça-feira, 5 de janeiro de 2016

Uma questão de coerência

Há uma coisa que eu admiro na política: c o e r ê n c i a.
Professor Marcelo Rebelo de Sousa é uma tv pop star e conhece muito bem os meandros desta máquina. Apesar de eu achar que aquele charme é natural, das muitas vezes que tive oportunidade de estar com ele.
(O problema é que, normalmente, as tv pop star's são tipos que gostam de agradar e, os tipos que gostam de agradar, nem sempre são os melhores.)

O Professor Marcelo conquista só  com um olhar, com a sua voz suave, sabe mergulhar no Tejo, sabe conduzir táxis, sabe ler livros dos bons e até  sabe varrer as ruas da cidade.
Nunca escondeu as suas convicções e, por isso, é um homem respeitado.
Das poucas manifestações políticas que tive (talvez a única) tive com o Professor Marcelo: A campanha do Não ao Aborto, foram dias muito intensos, mas muito ricos.
Quando nós votamos em alguém para Presidente da República, votamos naquela pessoa que acreditamos que por ser quem é pode representar o país.
Esta coisa de separar o Eu-Politico do Eu-Pessoal é muito estranha para mim... é tipo existe o Eu-Pessoal que tem convicções fortes, visões económicas bastantes lineares e depois existe o Eu-politico que é "uma Maria-vai-com-todos", perdoem a expressão popular, é um Eu politicamente correcto, disfarçada com a tolerância e basicamente diz o que os outros querem ouvir (= Marketing).
No debate de ontem com a Marisa Matias, o Professor Marcelo mostrou - nos que:
1) conhece muito bem os mass media (cuidado!);
 2) gosta de "dançar o vira".
De repente virou... Mostrou favorável à adopção por casais do mesmo sexo e recusou vetar às alterações à lei do aborto (ele que foi uma das caras mais convictas do não ao aborto).
É admirável este esforço para conquistar votos, pois significa uma tremenda falta de coerência.

Mais que demonstrar os seus ideais, o Professor Marcelo demonstrou a sua flexibilidade, coisa que não se viu na Marisa.
Penso que não precisamos de - mais um - presidente com falta de coragem, não precisamos de homens a quererem agradar as maiorias.
Precisamos sim de um Presidente que seja um politico de convicções e sobretudo que acredite e defenda essas convicções.
#AdeusMarcelo

3 comentários:

Francisco Vilaça Lopes disse...

Completamente, Dita!
Nestas Presidenciais só gosto de ouvir o Donald Trump.
#eleiçõesestãoaíeemquemvotar?

Miguel Almeida disse...

Sempre gostei muito de ouvir o Marcelo, era mesmo sua "fâ". ontem foi a desilusao total! Esta suposta obrigaçao/desculpa de ter que ser imparcial como candidato á presidencia, de deixar para tras os valores que sempre defendeu, para mim nao faz sentido. tornou-se uma pessoa AMORFA, que é o que mais desprezo... e agora votar em quem?






jcerca disse...

Para mim o Marcelo já foi!
Adeus Marcelo! O Paulo Morais vai agradecer os votos que lhe vais dando. O meu é um deles. Decidi isso desde essa tua entrevista do "politicamente correto" só para angariar votos à esquerda, mesmo pondo de lado as tuas pretensas convicçõers religiosas. Um católico assim a defender tais causas é o máximo da coerência!.....Uma completa desilusão!......