sexta-feira, 1 de março de 2013

11 de Maio de 2010

A propósito deste post, não pude deixar de reviver esses dias maravilhosos do Papa em Portugal. Obrigada, Xana, porque abri a caixa de recordações e não consigo deixar de me arrepiar e emocionar!

Tinha 20 anos, estava noiva e o noivo estava fora. Triste por não estarmos juntos neste momento marcante, decidi aproveitar o bom da situação: podia dedicar-me a 100% a ajudar na organização.
Foi o que fiz. Ainda o Papa não tinha chegado ao aeroporto e já eu e muitos outros bons amigos estávamos cansadíssimos, como se nota nos vídeos. Olheiras sem fim, já não falávamos, só gritávamos...E se nós, miúdos, ficámos naquele estado, como não estaria o Santo Padre?
E mesmo assim...a entregar-se a 1000% ao seu ministério petrino, e por isso nele a fadiga não se deixava adivinhar.

11. Maio. 2010
Dia:
Neste dia integrei a equipa de protocolo da Missa no Terreiro do Paço. Estava encarregue de sentar os convidados com o tal convite que a Xana fala, procurar os melhores lugares, verificar que ninguém passava essa área restrita. Sentar os membros do governo, da presidência da República, da Família Real, etc.
Estávamos desde manhã, vestidos de preto e branco, a preparar tudo. Um calor abrasador, mas um vista magnífica, linda!! Um altar belíssimo, e os barcos a comporem a tela. Um céu azul e um mar calmo.
O nosso único medo: nas vésperas, à hora em que seria a Missa, vinha sempre aquele cheiro incómodo típico de Rio Tejo, e muitos de nós rezámos para que o Papa não se apercebesse (como se isso fosse possível...). Mas Deus sabe sempre mais e, no dia 11, nenhum cheiro afectou aquele momento de Céu na Terra.
Neste vídeo percebe-se a grandiosidade de toda a celebração e, no canto esquerdo, uma das voluntárias da equipa de protocolo.
(vídeos Youtube e SapoVídeos)



 


Antes da Missa começar tive a graça de estar ao lado do papa-móvel, que estava descapotado, e de receber, do Papa, a sua bênção. Olhos nos olhos, penetrantes.
Embora de pé, de um lado para o outro, também pude viver esta Missa num local privilegiado, enquanto "passeava" pelas filas da frente.

No final da Missa, uma vez mais, fui para o pé do papa-móvel, lembro-me bem, ao lado do L., e agarrámo-nos aos vidros, chorando copiosamente de alegria, enquanto o Monsenhor, na altura, Georg Gänswein, se ria a bom rir das nossas figuras.

E quem diria que, passado um ano, precisamente nesse dia, por essas horas, estava na sala de partos e a nossa primeira bebé nascia? E que durante a cesariana, médico e pais recordaram este dia e minutos depois, a Pilar estava cá fora? E que o L. seria o padrinho e que agora se vai casar com a minha querida T.?

Não acredito em coincidências, mas sim na Providência.

Noite:
A serenata ao Papa. Muitas horas de ensaios, de reuniões, de preparação, de boa-disposição e de bons momentos, de organização exaustiva. Como dizia antes, o que se vê são olheiras sem fim, cansaço físico, mas...uma felicidade inexplicável.
Quisémos dizer ao Papa que os jovens também são dele. Também são de Cristo. E desejar uma boa noite, à nossa maneira, cantado, batendo palmas, fazendo barulho. Cantando as nossas músicas preferidas e uma em alemão, da sua terra natal.
O Papa veio, sorriu, abençoou e...pediu para que o deixássemos descansar. A nós jovens, que achamos sempre que estamos preparados para tudo, o Papa deixou-nos desconcertados.
Fomos como filhos, e o Papa respondeu-nos como Pai.
Com um carinho imenso e com toda a intimidade, confiança e amor paterno.
Como diz o Capelão da Católica no vídeo: Viva o Papa, e que viva sempre nos nossos corações!




E quanto a Fátima... Xana fico à espera do teu post para depois poder relatar a minha experiência também!!





2 comentários:

alexandrachumbo disse...

:) Obrigada pela partilha cat, são tempos muito intensos estes que vivemos, e parece que estamos todas "em sintonia" apesar de cada uma ter suas experiências e vivências!

Rosarinho MB disse...

Que lindo!!!
Eu estava no terreiro do Paço a arder em febre e com a garganta inchadissima.. ;) foi um momento único!!